Dúvidas vão aparecer depois que o juiz bater o martelo e você se tornar o arrematante. Mas te ajudamos a vencer, numa boa, todos os processos burocráticos

Considere este cenário: você já leu tudo o que podia sobre leilões. Ficou convencido de que não se trata de uma modalidade exclusiva a investidores, mas sim que é uma ótima oportunidade de se fazer negócios. E finalmente arrematou a casa ou o apartamento dos seus sonhos.

Mas agora tem que dar continuidade à transação, e a sensação é a de estar desorientado. Você não sabe, por exemplo, como emitir a escritura, nem como proceder para desocupar o imóvel.

Dúvidas são normais nessa hora, mas calma que a seguir a gente te dá uma ajuda para que a sua experiência de comprar em leilão seja a melhor possível. Leia essas dicas e dê os próximos passos com rapidez, tranquilidade e segurança.

Efetuando o pagamento

Após finalizado o leilão, se você for o arrematante, receberá as instruções de pagamento, que poderá ser à vista ou a prazo (caso você tenha formalizado um pedido durante o tempo de vigência do leilão).

 >> Sim, é possível parcelar um imóvel arrematado em leilão

Você também deve ficar atento para programar com antecedência o resgate do valor que será usado no pagamento – para que, de fato, consiga realizá-lo nas 24 horas seguintes ao arremate. Há aplicações, por exemplo, que não possuem liquidez diária. 

Assinatura dos documentos

Com o pagamento efetuado e aprovado, o próximo passo é assinar a “auto de arrematação”. Para isso, você envia os documentos solicitados à Lut, que emite o auto de arrematação. Você então o assina e nos devolve.

Escritura

A escritura é o documento público que oficializa a transferência do imóvel. Em pagamentos à vista, a Carta de arrematação é liberada em poucos dias. Em pagamentos parcelados, o arrematante recebe durante o período do parcelamento o Auto de arrematação, que dá direito a posse. Somente após a quitação ele recebe a carta. A escritura pode ser feita com a carta de arrematação, que é expedida pelo cartório. Funciona assim: depois que o juiz emite a carta de arrematação, o arrematante então procura o cartório responsável para efetuar a averbação da matrícula. Apesar de a Lut não estar com você durante este processo, estamos sempre disponíveis para tirar qualquer dúvida.

A posse do imóvel

O auto de arrematação (que é emitido pela própria Lut logo após o pagamento), já dá direito ao arrematante da posse do imóvel. Caso ocorra qualquer problema após o pagamento e a venda não se concretize, os valores são restituídos ao arrematante.

 >> Investir em imóveis na crise atual ainda é um ótimo negócio 


Imóvel ocupado

Há casos também em que o imóvel está ocupado, e mesmo que o comprador tenha o direito de posse e ocupação, ele poderá ter que solicitar uma interferência judicial para obter a desocupação. Mas antes de entrar na justiça, é recomendado que o arrematante tente o diálogo, através de seu advogado, com o ocupante do imóvel. Um acordo amigável é sempre mais rápido, além de estabelecer uma situação menos dolorosa para ambas as partes.

Se a conversa não resolver, o proprietário deve, sim, acionar judicialmente o morador pedindo a desocupação integral e a transferência de posse do bem. Geralmente, o juiz que emitiu a ordem do leilão judicial é quem exigirá esta desocupação.

Arrematei um imóvel alugado

O arrematante pode achar que seja vantajoso arrematar um imóvel alugado, pois um inquilino já estabelecido garante um retorno imediato com o pagamento do aluguel. Mas se esta não for sua intenção, nada o impede de desfazer o contrato, já que o arrematante está livre desta obrigação. Ele pode tentar uma solução amigável, ou então solicitar a “imissão na posse”, em que o arrematante exige a reintegração de posse do imóvel adquirido, e o inquilino não poderá fazer mais nada a não ser desocupar o imóvel.

Confira as oportunidades da Lut Gestora de Leilões.